NOTAS DE ESTUDO

Notas de Estudo XIII

Manifesto do Partido Comunista

Notas de Estudo

XIII

No campo teórico, já eram conhecidas as ideias fundamentais do Manifesto, ou aparecem aí pela primeira vez? 

____ * ____

     (Continuação)

No mesmo ano de 1845 em que foi publicada em Francoforte A Sagrada Família, foi também editado em alemão a obra de Engels intitulada A Situação da Classe Trabalhadora em Inglaterra, texto que contribuiu para uma viragem no pensamento de Marx na compreensão da história.

Forçados a abandonar Paris, Marx e a família refugiaram-se em Bruxelas, onde encontraram Engels, que Marx já conhecia por troca de correspondência, e começaram os dois a escrever A Sagrada Família. Também em conjunto escreveram A Ideologia Alemã, que representa um ajuste de contas dos dois autores com a sua consciência teórica anterior e com os seus amigos da esquerda hegeliana.

O manuscrito da Ideologia Alemã ficou terminada em 1846, mas nunca foi publicado em vida de Marx ou de Engels. Não tendo encontrado editor, o manuscrito, como mais tarde ironizaria Marx, ficou submetido “à crítica corrosiva dos ratos”, e só veio a lume em 1933, em Leipzig e Moscovo simultaneamente.

A viragem de Marx (e de Engels) para o materialismo histórico assume-se definitivamente na Ideologia Alemã“não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas o seu ser social que, inversamente, determina a sua consciência”, para citar um resumo do próprio Marx feito no prefácio àContribuição para a Crítica da Economia Política, de 1859.

O materialismo histórico, a produção da consciência, a dialéctica da história, o comunismo – todas as bases teóricas fundamentais do marxismo, que constituem a alma do Manifesto do Partido Comunista, publicado, como sabemos, em 21 de Fevereiro de 1848, já estavam definidas na Ideologia Alemã, em 1846, dois anos antes, muito embora o texto só tivesse sido publicado, como se deixou também já sublinhado atrás, em 1933.

Depois das experiências falhadas da União Soviética e da China Popular, é à Ideologia Alemã que o proletariado tem de voltar para pôr de pé o marxismo e o comunismo. Todo o Marx, a partir do Manifesto, tem de ser lido à luz da Ideologia Alemã. Incluindo O Capital.

Sempre muito operativo e prático, Engels escreveu em Paris um projecto de programa para a Liga dos Comunistas com o título de Princípios Básicos do Comunismo, por encargo do Comité Regional da Liga, que ficou pronto em Novembro de 1847, sob a forma de catecismo, em perguntas e respostas.

Depois de pronto o texto, Engels escreveu a Marx – carta de 23/24 de Novembro de 1847 – propondo-lhe abandonar Os Princípios Básicos na forma de catecismo e avançar com a redacção de um programa para a Liga dos Comunistas sob a forma de Manifesto Comunista. As suas opiniões foram aprovadas no Congresso da Liga dos Comunistas, e aí Marx e Engels foram encarregados da tarefa, que cumpriram com a produção conjunta dessa primeira grande obra-prima do proletariado revolucionário: O Manifesto do Partido Comunista.

Os Princípios Básicos do Comunismo acabaram por só serem publicados em 1914. A editora Vento de Leste, do  Partido, publicou-os em 1975.

A resposta à questão colocada no início das duas últimas Notas de Estudo é pois esta: as ideias fundamentais do Manifesto do Partido Comunistajá tinham sido formuladas por Marx e Engels, sobretudo na Ideologia Alemã, mas em textos que todavia não tinham sido publicados.

Mas o que se deve salientar é que a teoria do marxismo e do comunismo se desenvolveram ao mesmo tempo que se desenvolvia o movimento revolucionário do proletariado. É o ser social que determina a consciência…

          18.03.2016

Luta Popular

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.