Comunicados

Comunicado nº 4

Comunicado nº 4

Comunicado do Comité Central do PCTP/MRPP respeitante à reunião de sábado, dia 19 de Dezembro de 2015.

 

1. A reunião do Comité Central decorreu sob a direcção do camarada Barros.

2. O Comité Central leu e discutiu os quatro artigos publicados pelo camarada Arnaldo Matos, entre 12 de Janeiro e 12 de Dezembro deste ano, no Luta Popular Online, quanto aos ataques em Paris; tomou conhecimento das posições do Expresso, do Diário i e do Correio da Manhã relativamente às posições politicas do camarada Arnaldo Matos e do Partido e aprovou uma resolução sobre o assunto, denunciando energicamente a campanha que a imprensa reaccionária da burguesia, de braço dado com os liquidacionistas do grupelho Conceição Franco/Garcia Pereira, está a levar a cabo com incontrolada histeria, visando a incriminação e prisão do camarada Arnaldo Matos, no âmbito da reaccionária lei de combate ao terrorismo recentemente publicada.

3. O Comité Central examinou e aprovou as contas do Partido relativamente ao mês de Novembro último.

4. O Comité Central começou a discutir o relatório da actividade do camarada Gerês, centrando a sua especial atenção, por hoje, no relatório politico da actividade no distrito de Aveiro, que aprovou com profundas alterações.

5. As deliberações da presente reunião do Comité Central foram aprovadas por unanimidade.

6. O Comité Central volta a reunir ordinariamente no próximo dia 23 de Janeiro de 2016.

 

Barros

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.