Eleições

Em campanha pela saída do euro junto dos operários, dos estudantes e do povo de Lisboa

Durante a semana de 6 a 12 de Abril, as comissões unitárias de apoio à candidatura do PCTP/MRPP ao Parlamento Europeu no distrito de Lisboa desenvolveram uma intensa actividade de mobilização e propaganda em torno dos objectivos desta importante batalha eleitoral.

Os operários e outros trabalhadores de grandes fábricas e empresas foram um dos principais alvos desta acção, como foi o caso na TAP, na Carris, na Portugal Telecom e nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA). A recepção por parte dos operários foi de grande interesse e, em muitos casos, de apoio à palavra-de-ordem Sair do Euro!, registando-se o caso de um operário das OGMA que, dirigindo-se a um indivíduo que estava a distribuir folhetos de um banco, lhe exibiu o comunicado que acabava de receber dizendo: “Isto é que é importante!”

Também aos estudantes universitários foi distribuída a propaganda da candidatura, acontecendo isso no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e na cantina da Cidade Universitária.

Em importantes locais de passagem, como a estação Sul-Sueste e em bairros como o da EPUL, o Bairro Lopes e a Alta de Lisboa, andaram também brigadas de distribuição da propaganda da candidatura, estabelecendo-se com frequência conversas e debates animados sobre a saída do euro.

É necessário continuar e intensificar este importante trabalho político, vencendo o cerco que os inimigos do povo e os opositores da saída do euro procuram estabelecer e correspondendo ao apoio crescente que as posições da candidatura do PCTP/MRPP estão a despertar entre as massas.

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.