Eleições

A classe operária tem de ser mobilizada para impor a saída do euro

De um correspondente do Luta Popular e activo participante nas acções de campanha eleitoral no Norte do país, recebemos, com data de3 de Abril, a seguinte e significativa descrição sobre a distribuição do primeiro comunicado da campanha em algumas importantes fábricas da região. É a atitude de mobilização e de combate que transparece deste texto que tem de ser adoptada de norte a sul do país. Em frente com a candidatura do Partido! Imponhamos a saída de Portugal do euro e o derrube do governo de traição nacional Coelho/Portas/Cavaco!

Ontem não foi a chuva torrencial a impedir que o comunicado da candidatura do Partido ao parlamento europeu chegasse às mãos das operárias do calçado da Mephisto e dos operários da fábrica de armas e de tacos de golfe Brownig, em Viana do Castelo, nem dos operários da refinaria da Galp, em Matosinhos, nem dos operários das empresas do parque da Efacec, na Maia. Hoje, foi a vez dos motoristas dos Transportes Urbanos de Braga, das operárias têxteis da Orfama, dos operários da Delphi e das restantes fábricas do parque da Grundig, bem como dos desempregados de Braga e dos operários do calçado da Gabor, receberem o comunicado.
Pela saída do euro! Abaixo o governo de traição nacional PSD/CDS!

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.