Notas à Imprensa

Sobre a comunicação de Cavaco Silva ao país - As eleições europeias têm de contribuir para derrubar o Governo e o Presidente da República

Na mensagem que hoje dirigiu ao país sobre as próximas eleições para o Parlamento Europeu, Cavaco Silva demonstrou mais uma vez que utiliza o cargo de Presidente da República única e exclusivamente para sustentar o governo PSD/CDS e para perpetuar a austeridade criminosa contra o povo, servindo-se para isso de uma concepção fascista de limitação da democracia aos partidos que assinaram o memorando de entendimento com a tróica imperialista alemã, com exclusão de todos os demais.

Na mensagem que hoje dirigiu ao país sobre as próximas eleições para o Parlamento Europeu, Cavaco Silva demonstrou mais uma vez que utiliza o cargo de Presidente da República única e exclusivamente para sustentar o governo PSD/CDS e para perpetuar a austeridade criminosa contra o povo, servindo-se para isso de uma concepção fascista de limitação da democracia aos partidos que assinaram o memorando de entendimento com a tróica imperialista alemã, com exclusão de todos os demais.

Ao querer colocar a próxima campanha eleitoral ao serviço da celebração de acordos entre os partidos da tróica para estes virem a assinar novos memorandos de traição nacional com a União Europeia, Cavaco violou grosseiramente os princípios democráticos e constitucionais que jurou defender e tornou mais urgente do que nunca a tarefa do povo português de impor a sua demissão do cargo de Presidente da República.

Com a sua comunicação de hoje, Cavaco Silva procurou antecipar-se e desarmar o forte movimento unitário que se apresta para fazer das eleições europeias um meio decisivo para impor a saída de Portugal do euro, o não pagamento da dívida, o derrube do governo Coelho/Portas e a formação de um governo democrático e patriótico.

 

Lisboa, 19 de Março de 2014

O Gabinete de Imprensa do PCTP/MRPP

 

 

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.