Notas à Imprensa

Sobre a declaração de Passos Coelho

Motivado pelo estímulo e apoio do presidente da república, Passos Coelho sentiu-se à vontade para voltar à carga com o anúncio de mais uma panóplia de medidas terroristas exclusivamente viradas contra os trabalhadores do sector público e todos os pensionistas.

Motivado pelo estímulo e apoio do presidente da república, Passos Coelho sentiu-se à vontade para voltar à carga com o anúncio de mais uma panóplia de medidas terroristas exclusivamente viradas contra os trabalhadores do sector público e todos os pensionistas.

Depois do genocídio fiscal com que recentemente atingiu os trabalhadores – e em que o tribunal constitucional não tocou – o chefe do governo de traição nacional aponta as baterias para o roubo descarado do trabalho e do salário e a degradação dos serviços públicos que porventura não vierem a ser entregues à exploração privada.

Ao contrário do que Passos Coelho tenta iludir de forma cada vez mais desesperada, tudo quanto o governo PSD/CDS se empenha em confiscar ao salário dos trabalhadores e o produto do roubo do trabalho vai direitinho para pagar uma dívida que não cessa de aumentar e que se tornou já de há muito impagável.

Passos Coelho e Portas, atribuem aos salários da função pública e às prestações sociais a responsabilidade da dívida, mas passam por cima dos milhões de euros extorquidos aos contribuintes para cobrir as trafulhices do BPN e dos swapps.

Aquilo a que estamos a assistir, já o PCTP havia há muito prevenido – cada minuto que passe com esta coligação no poder o desemprego, a miséria, a redução brutal dos salários, o sofrimento não deixarão de aumentar.

O anúncio provocatório destas medidas terroristas só pode ter como resposta a intensificação do movimento de massas pelo derrube deste governo de traição nacional e a rápida formação de um governo democrático patriótico.

O que hoje passa cada vez mais pela exigência da demissão do presidente da república.


Lisboa, 03/05/2013

A Comissão de Imprensa
do PCTP/MRPP

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.