Alexandrino de Sousa

História de Alexandrino de Sousa

O Camarada Alexandrino de Sousa morreu, porque foi assassinado!
E foi assassinado porquê? Quem era o Camarada Alexandrino de Sousa? O Camarada Alexandrino de Sousa era um Camarada do Partido de rija cepa. Este Camarada, antes o 25 de Abril, fora já barbaramente espancado no interior da Faculdade de Direito, pelos “gorilas”, e de uma forma tal que o estado em que ele se encontrava levou mesmo uma das funcionárias da Faculdade a desmaiar quando o viu. Foi então levado nesse estado para a Rua António Maria Cardoso e entregue à PIDE, e esteve durante três meses a ser sujeito à tortura do sono, nunca tendo cedido, nunca tendo falado, nunca tendo vergado.

Por isso, a forma como o Partido definiu a vida dele, quando ele foi assassinado, foi justamente esta: “A luta foi dura, mas ele nunca vergou!”.

E é este Camarada – que vem forjado nestes princípios, e nesta prática – que no dia 9 de Outubro de 1975, com mais cinco outros camaradas, está na Praça do Comércio a colar cartazes convocando para a realização em 12 de Outubro de 1975 de um comício, que rememorava o assassinato pela PIDE do Camarada Ribeiro Santos, ocorrido três anos antes.

E esses seis Camaradas foram cercados por sessenta “valentes” energúmenos da UDP, que os agrediram violenta e barbaramente, e que depois com o Camarada já barbaramente espancado, e sabendo perfeitamente que ele não sabia nadar, disso ele os avisou, o atiraram às águas geladas do Rio Tejo, às tantas da madrugada, provocando deste modo, cobarde, a sua morte.

E portanto o Camarada Alexandrino de Sousa é assassinado pelos social-fascistas da UDP por ser um Homem de princípios, por ser um lutador marxista-leninista de primeira água, e por estar a conclamar as massas para virem honrar a memória do Camarada Ribeiro Santos, à qual o seu exemplo heróica ficou também indelevelmente ligado.

 

Garcia Pereira - Sessão Política do Partido - 12 de Outubro de 2011


Veja aqui o vídeo

 

Todos ao funeral do Camarada Alexandrino 
Honra ao Camarada Alexandrino!
Comunicado do Comité Central do M.R.P.P.
Comunicado do FEM-L
Defesa de Alexandrino de Sousa em processo disciplinar académico de 1973/74

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.