Eleições

Nota à Imprensa: Os Directores de informação da RTP SIC e TVI mentem e escondem a sua responsabilidade num simulacro de debates

Os Directores de Informação da RTP, SIC e TVI, desesperados com a derrota que a sua atitude antidemocrática sofreu com o recente deferimento da providência cautelar decretada pelo Tribunal de Oeiras, levaram a cabo uma encenação demagógica e provocatória a respeito da ausência de Garcia Pereira e da candidatura do PCTP/MRPP no simulacro que ensaiaram com as gravações de debates.

E fizeram-no, escamoteando acintosamente as razões dessa ausência aos espectadores e aos restantes partidos que aceitaram as condições repudiadas pelo PCTP/MRPP.

Com efeito, como era sobejamente do conhecimento dos senhores directores de informação condenados pela sentença judicial que decretara a providência cautelar, a candidatura do PCTP/MRPP não só foi quem requereu essa providência como nunca se recusou a debater.

O que não significa que estivesse disposta a embarcar em manobras que pusessem em causa o seu objectivo inicial, sancionado pela decisão judicial - o respeito pelo princípio da igualdade de oportunidades relativamente aos cinco partidos que as televisões haviam seleccionado para debates entre si.

Foi por essa razão que a candidatura do PCTP/MRPP, confrontada com a intenção da RTP, SIC e TVI  de realizar debates em condições de tempo, lugar e modo desiguais em face dos que havia servilmente proporcionado aos 5 partidos da sua preferência, manifestou imediatamente aos directores de informação responsáveis por aquela ilegalidade a sua total discordância, exigindo que os debates em causa tivessem lugar prioritariamente com aqueles partidos, fossem transmitidos em directo em cada um dos canais e tivessem igual duração.

Foi exclusivamente pelo facto de as direcções de informação não terem até agora assegurado aquelas condições que esta candidatura não aceitou o simulacro de debates pretendido pelos canais televisivos em causa.

Como é evidente, a candidatura do PCTP/MRPP, como partido extra-parlamentar mais votado, não cede nos princípios por que sempre se vem batendo em matéria de eleições democráticas, independentemente das posições que outras candidaturas possam assumir de debater a qualquer preço.

Para aqueles que hoje se queixaram de se terem levantado muito cedo para estarem a tempo nas gravações, deveriam antes pensar que uma situação dessas não se colocaria se os debates se tivessem realizado em directo, como o PCTP/MRPP legitimamente exigiu e que as direcções de informação esconderam dos candidatos em causa.

Não podemos ainda deixar de denunciar a falsidade veiculada nos telejornais das televisões em causa de que nenhum dos restantes partidos tivesse aceite participar nestes debates, para além da CDU  - é que o PS declarou por escrito não ter sido contactado para o efeito.

Tal como sempre o dissemos e reafirmamos, a candidatura do PCTP/MRPP esteve e estará disponível para debater, mas em igualdade de circunstâncias com os partidos que antes já debateram entre si e em directo.

 

A Comissão de Imprensa da Candidatura Nacional do PCTP/MRPP

Lisboa, 31 de Maio de 2011

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.