Eleições Europeias 2009

Nota à Imprensa - 30-05-2009

europeias2009pequeno.jpgCâmara Municipal de Lisboa Destrói Propaganda da Candidatura do PCTP/MRPP ao Parlamento Europeu

   Durante uma colagem de cartazes da candidatura do PCTP/MRPP ao Parlamento Europeu na zona limítrofe do Marquês de Pombal, que estava a decorrer na madrugada de hoje, funcionários da Câmara Municipal de Lisboa, invocando estar a cumprir ordens de António Costa e Sá Fernandes, destruíram a propaganda do Partido arrancando vários cartazes.

Como é sabido, PS e Bloco de Esquerda, através dos seus representantes na Câmara de Lisboa, tentaram recentemente impedir a afixação de outdoors na Rotunda do Marquês, tendo depois recuado nesses intentos antidemocráticos que visavam tomar o pulso para uma acção censória mais vasta.

Constatámos agora mais uma vez que, afinal, esta santa aliança na vereação lisboeta - correspondendo, aliás, ao que caracteriza a governação fascista de Sócrates - o que não gosta mesmo é de ver a propaganda do PCTP/MRPP afixada nas ruas de Lisboa.

Ou será que a norma adoptada pelos democratas da Câmara de Lisboa é a de que a liberdade de propaganda e de expressão está reservada apenas aos que têm dinheiro - sabe-se lá de onde - para pagar outdoors?

E ainda querem que a abstenção não seja elevada!

A candidatura do PCTP/MRPP ao Parlamento Europeu exige dos órgãos supostamente responsáveis por garantir a democracia destas eleições - até agora totalmente arredada desta campanha eleitoral -, a começar pelo Presidente da República, a tomada de medidas enérgicas para pôr cobro à discriminação e censura dos pontos de vista dos partidos extra-parlamentares, em lugar de lançarem as habituais jeremíades acerca da falta de debate sobre as questões políticas centrais que estão em jogo nestas eleições.

 

30 de Maio de 2009

Luta Popular on line

Aceda ao Luta Popular e fique
a par das últimas noticias:

Biblioteca Vermelha

Um redobrado empenho no estudo do marxismo, dos textos em que se condensa a experiência histórica das revoluções passadas e também daqueles em que se perspectivam novos combates pelo socialismo e pelo comunismo, constitui hoje um dever indeclinável de todos os revolucionários.

Entrar na Biblioteca Vermelha

 

Ribeiro Santos

A morte de Ribeiro Santos (durante uma reunião de estudantes contra a repressão fascista de Caetano, realizada em 12 de Outubro de 1972 na Faculdade de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa) constituiu um marco decisivo e de viragem no movimento popular e revolucionário contra a ditadura e a guerra colonial-imperialista que viria a atingir o seu auge em 1974.